Perrengue #6 – Perdidos em Praga

Mochilão Praga

A capital da República Tcheca foi um dos lugares mais bonitos que visitamos e também uma das cidades que ficamos menos tempo. Tivemos 8 horas em Praga para visitar tudo o que queríamos.

Bom, o tempo foi curto assim porque como falei no post sobre nossas viagens de ônibus, não tínhamos como ir de Berlim para Munique direto, era preciso passar em outra cidade fora do país. Nós escolhemos Praga por ser bem próxima das duas cidades.

Ainda no Brasil fizemos uma listinha do que gostaríamos de visitar:

  • Castelo de Praga;
  • Muro dedicado à John Lennon;
  • Ponte Carlos;
  • E qualquer ponte com cadeados que a gente encontrasse pela frente.

E isso era tudo o que tínhamos e um mapa que indicava da estação de ônibus até a estação mais próxima dos pontos que queríamos ver.

Chegando na cidade a primeira coisa que tínhamos que fazer era trocar nosso dinheiro. Trocamos VINTE EUROS. Vinte euros deu uma grana lascada, deu muito dinheiro, algo em torno de 507 COROAS TCHECAS hoje. Foi a primeira vez em toda aquela viagem que me senti rica, ou um pouco menos pobre.

Pra começar o passeio bem fomos comer e pra não perder o costume, optamos pelo KFC. Daí voltei a me sentir pobre, gastamos 240 coroas tchecas ali.

Depois de encher a barriga fomos aproveitar a cidade, compramos nossos passes de metrô (há muitas variedades de passes, tem uns que duram o dia todo, outros duram algumas horas e todos com preços bem acessíveis) na época pegamos dois passes de 90 minutos que custaram algo em torno de 32 coroas tchecas cada um.

Como podem ver no mapa abaixo, o terminal de ônibus fica pertinho da estação Florenc do metrô (circulado de vermelho) e os lugares que queríamos visitar ficavam do outro lado da cidade praticamente (sublinhados de preto), então pegamos o metrô e descemos na estação Malostranská (circulado também de vermelho).

Mapa Praga

Parecia tudo perto pelo maps, incrível, “vamos ver tudo rapidinho e ainda vai sobrar tempo”. Pensamos.

Vale lembrar que estávamos com nosso mochilão nas costas o tempo todo e mais uma sacola com coisas que não cabiam na mochila, ou seja, os dois estavam carregando muito peso e para melhorar tudo PRAGA SÓ TEM MORRO.

Mochilão Praga

Seguimos as placas e seguimos, e subimos, e seguimos, e subimos até que: Chegamos no lugar errado! Eu não sei como! Eu não tinha ideia da onde a gente estava, a gente tinha andado mais de 40 minutos e havíamos chegado no castelo errado. No maps, o castelo de Praga estava há 15 minutos da estação.

Pronto, aí eu já emburrei. “Não vai dar tempo de fazer nada”, “Já temos que voltar”…

Bom, fomos voltando, descendo tudo, cabisbaixos, cansados. Resolvemos parar na frente de uma construção bonita, pra ver uns guardas, xingar um ao outro… Até que: ESTÁVAMOS NA FRENTE DO PALÁCIO REAL! A gente tinha chegado finalmente, não sei como. Mas tínhamos. E fomos tão sortudos que chegamos na hora da troca de guardas.  

Pronto, visto o castelo, parte do nosso tempo em Praga já tinha ido embora, o muro do John Lennon ficou pra próxima, as pontes com cadeados também, resolvemos ir direto para a Ponte Carlos.

Como foi só descida, foi mais tranquilo. A vista é linda de morrer, o tempo estava super agradável com um solzinho pra fazer de conta que estava quente.

Quanto custa um dia em Praga

A ponte é cheinha de souvenirs, de quadros, de artesãos, de músicos, de arte! E com preços acessíveis mesmo. Com certeza vale a pena levar uma lembrancinha pra casa (no nosso caso foram imãs mesmo).

Vimos o sol começar a se pôr dali, e mesmo que tudo tivesse dado errado naquele dia, tudo continuava incrível e perfeito.

Voltamos para Florenc (tínhamos que voltar antes de vencer os 180 minutos do bilhete), ainda um pouco adiantados, aproveitamos para passear pelo bairro e comprar coisas no mercado pra comer no caminho de volta com o dinheiro que sobrou.

Enfim, muita coisa deu errado, mas não deixou de ser inesquecível. Gastamos €20 lá, 507 coroas tchecas, conseguimos fazer duas refeições, comprar lembrancinhas, andar de metrô tranquilamente e ainda sobrou um pouquinho.

Mochilão Praga

Essa foi a nossa experiência e nosso perrengue por Praga. Desse dia tiramos uma lição: SEMPRE FAZER UM ROTEIRO, sempre programar a viagem, mesmo que você não siga aquilo o tempo todo é muito importante saber como chegar nos pontos turísticos, ainda mais quando você vai pra um lugar que o idioma é BEM diferente.

Destino Compartilhado | por: Carol


Leia também:

Perrengue #1 – Paris a pé

Perrengue #2 – Sozinho em Londres

Comentários

Deixe uma resposta