PERRENGUE #2 – Sozinho em Londres

A primeira vez em que pisei em solo inglês, estava sozinho, sem conhecer nada e com muita curiosidade. Na época eu morava na Alemanha e tive uma semana livre para tirar férias, pensei no que poderia fazer, fiz uma pesquisa na internet, conversei com algumas pessoas e decidi meu destino.

Era 2012, cerca de um mês antes dos jogos olímpicos e a cidade estava até que bem agitada.

Tudo bem, mas pra que serve esse texto mesmo? Ah sim, além de compartilhar essa experiência eu queria destacar os pontos positivos de viajar sozinho. Não é tudo uma maravilha, mas já pensou que pode ser muito legal fazer uma viagem sozinho?

tom-em-londres

Leia também: Quanto custa três dias em Londres?

Conhecer um país novo é sempre uma experiência diferente, a sensação, o cheiro do lugar, as cores, tudo é sempre diferente e essa é uma das coisas que eu mais gosto na vida. Chegando lá tudo parecia legal, eu achava que tava dentro de algum filme do Harry Potter ou coisa parecida.

Como eu disse, morava na Alemanha então eu tinha que trocar meus euros por libras esterlinas e eu, meio hipnotizado e assustado com o novo país que tinha acabado de conhecer, acabei trocando o dinheiro ali no aeroporto de Gatwick.

Triste erro, se tem uma coisa que eu aprendi foi a procurar casas de câmbio mais pro centro da cidade, onde a oferta varia e você pode trocar por preços mais em conta. Evitem AO MÁXIMO trocar dinheiro em aeroportos pelo mundo, sério. Esse aqui é um ponto negativo de ter ido sozinho, não tinha uma segunda opinião ali pra me alertar sobre isso e acabei perdendo um pouco de dinheiro, que já estava calculado para as atividades porque minha hospedagem já estava paga.

Bom, quando eu cheguei de trem no centro de Londres, a estação já estava sendo fechada, já era bem tarde e os ônibus iriam parar de circular em pouco tempo, então fui direto ao ponto onde eu sabia que o ônibus para o meu hostel passava.

Leia também: Quanto custa mochilar pela Europa?

Peguei o ônibus com uma pitada de incerteza sobre onde eu deveria descer. Não sei porque cargas d’água eu achei que decoraria o ponto. Eu não conhecia absolutamente NADA de lá, sabia que ia passar pelo Hard Rock Café e mais alguns pontos depois, seria o meu. Desci onde achei que deveria, sem mais nem menos, tava morrendo de medo, com razão.

Viagem para Londres

Andei pelas ruas de Londres pela primeira vez olhando para os lados, já era mais de meia noite, eu estava sozinha em uma rua escura e tudo que eu sabia era o nome da rua do meu hostel. Um estranho se aproximou de mim pedindo informações e logo percebeu que eu também não sabia onde estava.

Tentei refazer o caminho que tinha visto no mapa, mas acabei entrando em um beco muito sinistro e decidi voltar. Andei mais um pouco e por sorte achei um mapa. Uma coisa legal de se dizer aqui é que Londres é cheia de mapas onde você consegue se localizar e saber mais ou menos a distância que precisa andar pra chegar em determinado lugar.

destino-compartilhado-londres

Para minha sorte, além de ter encontrado o mapa, eu percebi que tinha decido no ponto certo e que a rua do meu hostel estava a menos de cinco minutos de caminhada. Incrível! Então foi só andar até lá, fui muito bem recebido no check-in até que o recepcionista me fala o preço.

Eu pensei bem antes de responder mas ai minha ficha caiu, o pagamento não tinha sido, de fato, efetuado. O que eu achei que tinha pago antecipadamente era só uma taxa de reserva e tinha que gastar boa parte do meu dinheiro ali.

Se eu tenho alguma dica pra dar sobre essa história é: Prestem muita atenção na hora de reservar as coisas, principalmente com pagamentos. Eu fui passar uma semana na cidade e por isso tinha um pouco menos de 200 libras em mãos, sendo que 90 foram para o hostel aquele dia. Como eu resolvi isso? Essa é outra história… Para acompanhar o desfecho clique aqui.

Destino Compartilhado | por: Tom Freitas


Leia também:

5 cidades alternativas para visitar na Alemanha

Perrengue #1 – Paris a pé

Viajar é caro e para poucos


 

 

Comentários

Deixe uma resposta