PERRENGUE #4 – Me safando em Londres

No último post eu comentei sobre o início da minha desventura em Londres (se você não leu, clica aqui) e agora vou contar como tudo terminou. Houve dor, suor e sofrimento, mas acima de tudo, uma lição de que ser um mão de vaca não significa nunca gastar nada em situação nenhuma.

Talvez eu nunca tenha comentado aqui, mas tenho uma irmã que vive na Alemanha desde 2005 e quando eu morava por lá, a visitava frequentemente. Inclusive foi ela que me ajudou a organizar as coisas para minha viagem a Londres. Enfim, minha irmã era minha única esperança de ter algum dinheiro para poder sobreviver aos 4 dias que me restavam em Londres.

Pra ela me mandar dinheiro seria bem difícil, eu não tinha conta em banco nenhum, muito menos algum parente ou conhecido no Reino Unido (o que dificultava muito a minha situação).

Aquela espera foi bem amarga, algumas horas mandando mensagens e esperando que ela pudesse me responder de alguma forma, até que uma solução apareceu como uma luz no fim do túnel. Minha irmã descobriu o Western Union, uma empresa que transfere dinheiro entre países/cidades sem precisar ter uma conta no banco.  Como? É bem simples na verdade, a pessoa que transfere recebe um código, que deve passar para quem for receber o dinheiro, é tudo feito de maneira bem segura, a gente tem que preencher um formulário e confirmar alguns dados nossos e de quem está nos enviando (a coisa fica bem mais fácil quando é algum parente seu).

destino-compartilhado-londres-perrengue

 

Mas achar um Western Union não foi a coisa mais fácil do mundo. Primeiro que o que tinha ficava meio que do outro lado de Londres e era minha primeira vez ali. Sem contar que (como comentei no meu primeiro post) estava super nervoso e não sabia muito bem o que fazer. Como estava quase sem grana, decidi ir a pé. QUE IDEIA. Não sei porque acho que consigo fazer tudo a pé nessa vida. É obvio que em algum momento eu tive que dar o braço a torcer, pedir ajuda de alguém e pegar um ônibus.

Demorei um pouco pra conseguir encontrar o lugar, mas chegando lá, foi até fácil de fazer a transação. É só dar o código (que só você, o Wester Union e a pessoa que está te passando tem) e preencher uma ficha com seus dados.

perrengue-destion-compartilhado

E foi assim graças a minha querida irmã que eu conheci esse serviço que pode ser extremamente útil em situações como essa! O resto da viagem foi tranquilo e sem maiores problemas, andei muito, me diverti e deu tudo certo.

Até o próximo perrengue no Destino Compartilhado!

Destino Compartilhado | por: Tom Freitas


Leia também:

Perrengue #3 – Perdidos em Roma

Quanto custa três dias em Londres?

Verdades e mitos sobre transporte entre países na Europa


 

Comentários

Deixe uma resposta