Como é ser Au-pair?

Como é ser au-pair

Ser Au-Pair é sempre uma experiência diferente e fascinante. Eu diria que pra mim foi um ponto de virada muito importante na minha vida pessoal e algo que me permitiu crescer tanto, que guiou meus passos pra eu seguir minha vida. Conhecer outros países é muito legal, ter contato com outras culturas e aprender um novo idioma é transformador, mas você precisa estar preparado para todos os problemas e dificuldades que vai enfrentar se um dia decidir seguir esse caminho. Como é ser Au-pair? Vou falar um pouco da minha experiência.

Pra falar de mim, primeiro tenho que falar da minha família. Eu fui Au-Pair entre 2011 e 2012, na cidade de Augsburg, na Alemanha. Fui pra lá com 18 anos, porém, minha irmã mais velha já tinha sido também, em Munique, cerca de 5 anos antes de mim e mora lá até hoje, minha irmã mais nova acabou indo em 2013, também para Augsburg. Existem certas dificuldades, não é tão comum homens serem Au-Pairs e principalmente tão jovem. Minha vantagem foi poder visitar a família pessoalmente antes de assinar um contrato e começar o trabalho, o que fez eles me conhecerem e eu conhecer o lugar que eu iria ficar, isso criou uma confiança muito bacana. Não é tão comum e pra mim foi mais fácil me adaptar com esse histórico familiar, mas não é o elemento definitivo que vai te ajudar a se dar bem ou não como Au-Pair.

Leia também: É possível viajar sem falar inglês?

A primeira coisa é pensar no porquê você quer fazer isso. É claro que em larga escala, é muito óbvio que você quer ter essa experiência fascinante, mas ser Au-Pair envolve um pouco mais de cuidado. Você acaba achando que essa é a única opção possível e trabalha com algo que não gosta. Por você tem que estar ciente de algumas coisas.

Para ser Au-Pair você precisa gostar de crianças

Não tem jeito. A maior parte do tempo que você vai ter, vai ser cuidando das crianças e se você é uma daquelas pessoas que não tem paciência, isso definitivamente não é pra você. Existem casos de Au-pairs que também fazem algumas tarefas domésticas para ajudar a família, no meu caso minha tarefa era exclusivamente cuidar das crianças, o que pra mim era maravilhoso. Mas mesmo em casos onde o trabalho com as crianças seja menor, ele vai existir e você vai ter que lidar com situações que não são pra todo mundo. Então pense bem, existem outras formas de intercâmbio.

Como é ser au-pair: A escolha da família

Antes de fechar um contrato, é preciso levar em conta e colocar na ponta do lápis todos os prós e os contras da família em questão. A cidade, a localização, os benefícios que você vai ter, se o trabalho vai ser tranquilo pra você, se você vai conseguir viajar, entre outras coisas. É de extrema importância analisar o histórico da família e tentar descobrir se eles estão atrás de uma verdadeira experiência de intercâmbio ou simplesmente de alguém para cuidar das crianças, porque isso faz diferença (e muita).

E isso vai muito além do misticismo de que “o povo europeu é frio” ou outras coisas do tipo. O que eu quero dizer é que existem pessoas mais fáceis e mais difíceis de lidar em qualquer lugar do mundo. Eu, por exemplo, tive muita sorte de encontrar uma família que me acolheu como um membro, que fazia questão de me ter nas festas, na viagens e em todas as ocasiões, mas no tempo que eu passei por lá, conheci algumas pessoas que não se deram tão bem com suas famílias.

Por isso é importante ter um contato e perceber pelo menos de leve como vai ser esse ano que você vai passar como Au-Pair para a família. Isso é de extrema importância.

Banco em praça

Dá pra aprender alemão em um ano?

De cara dá pra dizer a resposta: Sim. Talvez não extremamente fluente, mas você consegue ir embora depois de um ano falando muito bem. Mas isso, é claro, vai depender do seu esforço enquanto estiver aprendendo.

Eu fiz 5 cursos diferentes enquanto estava na Alemanha, depois de uns 9 meses aprendendo, me arrisquei a ler livros inteiros, mesmo não entendendo várias palavras. Me forçava a assistir televisão e fiz de tudo para ter o mínimo contato com a língua portuguesa, mudei o idioma de todas as minhas redes sociais e aprendi a usar o computador só em alemão, queria aprender alemão e me esforcei pra isso.

Depois de voltar pro Brasil eu ainda estudei mais um ano e até hoje faço questão de assistir filmes e ler livros pra nunca perder o costume. É verdade que às vezes dá uma enferrujada, mas nada que duas semanas seguidas na Alemanha não resolvam.

Conseguiu entender um pouco como é ser au-pair? Escrevi sobre minha experiência na Alemanha, mas acho que esse texto acaba servindo para qualquer um que deseje ser Au-Pair pelo mundo, até porque essas regrinhas valem para todo o lugar. Você tem que pensar em si mesmo em diversos momentos, até porque você chega sozinho lá e tem que se virar sozinho. Ser Au-Pair é uma experiência incrível e única, ainda mais quando se é jovem e tem o mundo inteiro para conhecer. Aproveite enquanto dá!

Destino Compartilhado | por: Tom Freitas


Leia também:

5 cidades alternativas para visitar na Alemanha

EUROLINES – Viajar de ônibus pela Europa

Parque Olímpico de Munique


 

Comentários

2 Replies to “Como é ser Au-pair?”

  1. Tom, você foi fazer o intercâmbio por alguma agência? Eu queria muito fazer um intercâmbio de au pair na Europa, mas não sei como entrar em contato com as famílias que querem Au Pair

    1. Destino Compartilhado says: Responder

      Oi, Sophia! Eu encontrei a minha família pelo site https://www.aupairworld.com/. Eu assinei a conta premium e entrei em contato com várias famílias, depois só gastei para acertar os documentos, nenhuma interferência de agência.

Deixe uma resposta